Papa Francisco nomeia administrador temporário para diocese de Formosa após denúncia de desvio de dízimo

0
82

Bispo e padres foram presos na Operação Caifás, suspeitos de desviar mais de R$ 2 milhões. Dom Paulo Mendes Peixoto ajudará nas atividades da diocese até que novo bispo seja nomeado.

Papa Francisco nomeou na quarta-feira (21) o arcebispo de Uberaba, em Minas Gerais, dom Paulo Mendes Peixoto, como administrador apostólico da Diocese de Formosa, no Entorno do Distrito Federal, após as denúncias de desvio de dízimo e corrupção na unidade. Segundo a Nunciatura Apostólica no Brasil, ele auxiliará nas atividades das paróquias da região até que seja nomeado um novo bispo.

Após ser nomeado, Peixoto escreveu, em um comunidado, que está “feliz com a confiança, mas preocupado com os desafios que, certamente, terá de enfrentar”.

“A Igreja está preocupada com a realidade da diocese de Formosa, que estava até ontem sem administrador e, por isso, começa agora um novo caminhar, com minha presença, até que seja nomeado um novo bispo diocesano. Minha disposição é para dar àquele povo de Formosa, até o momento muito abalado, mais esperança e confiança na sua prática cristã”, destacou.

A Diocese de Formosa está sem bispo desde segunda-feira (19), quando o então bispo de Formosa, Dom José Ronaldo, foi preso temporariamente suspeito de integrar um esquema que pode ter desviado mais de R$ 2 milhões dos cofres da Igreja Católica. Além dele, foram detidos o vigário-geral e segundo na hierarquia de Formosa, monsenhor Epitácio Cardozo Pereira; o juiz eclesiástico Thiago Wenceslau; mais três padres; o secretário da Cúria; e dois empresários.

As prisões temporárias, que têm validade de cinco dias, podendo ser estendida para mais cinco, ocorreram durante a Operação Caifás, realizada pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO) em Formosa, Posse e Planaltina. Denúncias feitas aos promotores de Justiça apontam que o juiz eclesiástico fez vista grossa para denúncias de desvio de recursos e que padres pagavam “mesada” ao bispo para se manterem em igrejas mais “lucrativas”.

As apurações apontam que o grupo age desde 2015. As investigações começaram no ano passado, após denúncias de fiéis. Eles afirmaram que as despesas da casa episcopal subiram de R$ 5 mil para R$ 35 mil desde a chegada do bispo Dom José Ronaldo. Na ocasião, o clérigo negou haver irregularidades nas contas da Diocese de Formosa.

Escutas telefônicas autorizadas pela Justiça apontaram que os suspeitos compraram uma fazenda de criação de gado e uma casa lotérica com o dinheiro desviado. As aquisições, conforme o MP-GO, também eram uma forma de lavar o dinheiro.

À TV Anhanguera, Dom José Ronaldo disse que o advogado dele ainda não teve acesso ao processo e nega envolvimento dele no caso.

‘Juramento de fidelidade’

Convocado após denúncias de desvios de dízimos e doações na Diocese de Formosa, o juiz eclesiástico Thiago Wenceslau forjou um relatório das contas questionadas anunciando que “auditoria rigorosa” apontou não haver nenhuma irregularidade, de acordo com o MP-GO.

“[O juiz eclesiástico] Veio [de São Paulo] com um objetivo: intimidar de forma definitiva os padres e fazer com que eles fizessem, como de fato muitos fizessem, um juramento de fidelidade ao bispo [Dom José Ronaldo, apontado como líder do esquema]”, explicou o promotor Douglas Chegury.

“Chamados nominalmente, [os padres] deveriam responder se estavam com o bispo ou contra o bispo, não era com a Igreja ou contra Igreja. Isso aconteceu em uma reunião a portas fechadas”, completou.

De acordo com o MP-GO, havia “clima de terror e opressão” e ameaças de retaliação, transferências e até perda de ministério aos clérigos que não se calassem ou não demonstrassem apoio ao bispo.

‘Mesada’ por paróquias mais rentáveis

A investigação aponta ainda que padres de Formosa, Posse e Planaltina pagavam ao bispo de Formosa para que fossem mantidos em paróquias mais lucrativas. O valor mensal da “mesada” variava entre R$ 7 mil e R$ 10 mil.

“As informações que nós obtivemos é que, para permanecer nas paróquias que davam mais dinheiro, os padres pagavam uma mesada, em dinheiro, ao bispo. Um pároco, que contribuiu com as investigações, inclusive, chegou a ver esse repasse”, disse o promotor Douglas Chegyry.

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here